COMO ENTREVISTAR VÍTIMAS DE VIOLÊNCIA E PESSOAS EM SOFRIMENTO?

O fenômeno da violência, em suas variadas facetas, é hoje um tema cada vez mais noticiado e estudado pelas Ciências Sociais. Em tarefas distintas e com objetivos diferentes, cientistas sociais e jornalistas, que estudam e cobrem casos de violência, se deparam com dificuldades semelhantes, como: de que modo abordar uma vítima da violência? Como se aproximar de sua família, indiretamente afetada pelo episódio violento? Como fazer com que contem sua história, permitindo que o pesquisador e o jornalista façam seu trabalho? Que preocupações é preciso ter? Como conduzir uma entrevista sem que a pessoa se sinta exposta?

Ao contrário do que pode parecer lidar com o sofrimento do outro é uma tarefa árdua, que costuma gerar desconforto em pessoas que não são da área de saúde. Esse workshop visa refletir e compartilhar algumas possibilidades de respostas a essas e outras questões presentes nesse tema.

PÚBLICO ALVO
Jornalistas e profissionais e pesquisadores das áreas de Ciências Sociais e Saúde Pública.

CARGA HORÁRIA
16h

OBJETIVO
Possibilitar aos participantes a condução de entrevistas com pessoas vítimas da violência letal tendo por base a empatia, o respeito e a técnica.

METODOLOGIAS
• Leitura de textos teóricos
• Exposição dialogada
• Estudos de casos
• Debates em grupo
• Simulação de entrevista

CONTEÚDOS
1. Entrevistas nas Ciências Sociais e no Jornalismo: tipos, relevância e questões éticas
2. Metodologia: a elaboração de uma entrevista
3. Condução: abordagem, silêncios e sinais
4. Pós-entrevista: a edição das informações coletadas
5. Vítimas de violência oculta: condução e considerações

BIBLIOGRAFIA
Alberti, Verena. “Histórias dentro da história.” In: Pinsky, Carla (org.) Fontes históricas. São Paulo, Contexto, 2005, p.155-202.
Becker, Howard. Métodos de Pesquisa em Ciências Sociais. São Paulo, Hucitec, 1997.
Bourdieu, Pierre. “A Ilusão Biográfica”. In Amado, Janaína e Ferreira, Marieta de Moraes (orgs) Usos e Abusos da História Oral. Editora FGV, 1996, pp. 183-192.
Brayne, Mark. “Emoções, trauma e bom jornalismo”, Cadernos de Estudos Africanos[Online], 15 | 2008, depositado online no dia 03 Fevereiro 2012, consultado em 18 Fevereiro 2018. URL : http://journals.openedition.org/cea/363 ; DOI : 10.4000/cea.363
Foote-Whyte, William. “Anexo A: Sobre a evolução de Sociedade de Esquina”. In Sociedade de Esquina = Street Corner Society: a estrtura social de uma área urbana pobre e degradada. Rio de Janeiro: Zahar, 2005, pp. 283-361.
LAGE, Nilson. A reportagem: teoria e técnica de entrevista e pesquisa jornalística. Rio de Janeiro, Record, 2001.
MEDINA, Cremilda. Entrevista: O diálogo possível. São Paulo: Ática, 1995.
Moore, Brenda L. “In-depth interviewing”, in: Soethers, Shields and Rietjens, Routledge Handbook of Research Methods in Military Studies. Routledge, 2014, p. 116-128.
Morin, Edgar. “A Entrevista nas Ciências Sociais, no Rádio e na Televisão”. In Cadernos de Comunicação e jornalismo 11, 1968.Um Diário no Sentido Estrito do Termo. Rio de Janeiro: Record, 1997.
SOARES, G, Miranda D. As vítimas ocultas do suicídio. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.
Radio for Peacebuinding Africa. Covering Trauma. A Training Guide. Disponível em http://www.sfcg.org/programmes/rfpa/pdf/2011-Covering_Trauma_Color_EN.pdf

Quer receber informações sobre a próxima turma?

Preencha os dados abaixo que avisaremos quando o curso estiver aberto.
Os campos com (*) são de preenchimento obrigatório.