CURSO DE MANEJO CLÍNICO DO COMPORTAMENTO SUICIDA

O Brasil registrou 11.433 mortes por suicídio em 2016 – em média, um caso a cada 46 minutos. Essas cifras representam um crescimento de 2% em relação ao ano anterior, quando 11,178 pessoas tiraram a própria vida (SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE MORTALIDADE/MINISTÉRIO DA SAÚDE – SIM/MS). A taxa oficial de mortalidade por suicídio no Brasil, estimada em 4,9 por 100.000 para a população geral em 2007, chegou a 5,8 por 100.000 habitantes no ano de 2016. Entre homens, a taxa de suicídio a cada 100 habitantes chegou a 9,2. Trata-se de um aumento de 28% em uma década. Entre as mulheres, a taxa é de 2,4 em 2016 (SIM/ MS). Esses dados reforçam a urgência de profissionais da área de saúde serem capacitados para atuarem com mais segurança em situações de crise suicida. A abordagem trabalhada neste curso tem por base os procedimentos indicados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e os estudos propostos pelo Dr. Neuri Botega (2015).

PÚBLICO ALVO
Estudantes e profissionais da área de Saúde.

CARGA HORÁRIA
8h

OBJETIVO
Identificar, junto com os participantes, formas de conduzir o manejo clínico do comportamento suicida.

METODOLOGIAS
• Oficinas
• Rodas de Conversa
• Estudo de casos
• Exposição dialogada

CONTEÚDOS
1. Epidemiologia, e conceitos de suicídio
2. Fatores de risco: definição e avaliação
3. Manejo clínico do comportamento suicida: condutas adequadas

 

BIBLIOGRAFIA
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSIQUIATRIA – COMISSÃO DE ESTUDOS E PREVENÇÃO DE SUICÍDIO. Suicídio: informando para prevenir. – Brasília: CFM/ABP, 2014.
ALBURQUEQUE, F. P. (2018). Análise descritiva dos óbitos por suicídio na população indígena assistida pelo Subsistema de Atenção à Saúde Indígena entre 2010 e 2017. Sec. Esp. Saúde Indígena e Min. Da Saúde.
BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Prevenção do suicídio: manual dirigido a profissionais das equipes de saúde mental. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Área Técnica de Saúde Mental; Organização Pan-Americana da Saúde; Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Ciências Médicas. Departamento de Psicologia Médica e Psiquiatria. Brasília; Ministério da Saúde; out. 2006. 76 p.
BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE Óbitos por suicídio entre adolescentes e jovens negros 2012 a 2016. / Ministério da Saúde, Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa, Departamento de Apoio à Gestão Participativa e ao Controle Social. Universidade de Brasília, Observatório de Saúde de Populações em Vulnerabilidade – Brasília : Ministério da Saúde, 2018.
BOTEGA, N. J., N. J. Crise suicida: avaliação e manejo. Porto Alegre: Artmed, 2015. 302p.
__________ N. J., D’ Oliveira, C. F. A., Cais, C. F. S. & Stefanello, S. (2009). Prevenção do suicídio: Manual dirigido profissionais da saúde da atenção básica. Campinas: Universidade Estadual de Campinas.
__________., Werlang, B. S. G., Cais, C. F. S. & Macedo, M. M. K. (2006). Prevenção do comportamento suicida. PSICO/PUCRS. 37(3), 213-220.
CARVALHO, S. A Morte Pode Esperar? Salvador: Associação Científica Campo Psicanalítico. 2014. 150p.
CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. O Suicídio e os Desafios para a Psicologia. Brasília: CFP, 2013. 152p.
CONTE, M et al. Programa de Prevenção ao Suicídio: estudo de caso em um município do sul do Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 17(8):2017-2026, 2012.
CZERESNIA, D. O conceito de saúde e diferença entre prevenção e promoção. In: ____________, Freitas CM (org.). Promoção da Saúde: conceitos, reflexões, tendências. Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz, 2003. p. 39-53.
FUKUMITSU, K.O. O psicoterapeuta diante do comportamento suicida. *Revista de Psicologia da USP*. São Paulo, v. 25, n. 3, 2014, 268-273. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_issuetoc&pid=0103656420140003&lng=pt&nrm=iso
__________ SCAVACINI, K. Suicídio e Manejo Psicoterapêutico em situações de crise: uma abordagem gestáltica. Revista da Abordagem Gestáltica – Phenomenological Studies – XIX(2): 198-204, jul-dez, 2013.
__________, SOUSA, F. B. de. (2015). O Cuidado como fator de proteção do suicídio. *Revista Brasileira de Psicologia*, 2(02), 28–32. Retrieved from http://wp.me/a4hcfF-NX
MACEDO, Mônica Medeiros Kother; WERLANG, Blanca Susana Guevara. Tentativa de suicídio: o traumático via ato-dor. Psic .: Teor. e Pesq. Brasília, v. 23, n. 2, p. 185-194, junho de 2007. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-37722007000200009&lng=en&nrm=iso>.
MIRANDA, D (org.). Por que policiais se matam? Rio de Janeiro: Mórula Editora, 2016.
MINAYO, MCS. (2005). Suicídio: violência auto-infligida. In: Secretaria de Vigilância em Saúde. Impacto da violência na saúde dos brasileiros. Brasília: Ministério da Saúde; p. 205-23.
MULLER, Sonia de. et al. Estratégias de prevenção e pósvenção do suicídio: Estudo com profissionais de um Centro de Atenção Psicossocial. Revista de Psicologia da IMED, Passo Fundo, vol. 9, n. 2, p. 6-23, Jul.-Dez., 2017 – ISSN 2175-5027
ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE, Prevenção do Suicídio: Manual para médicos clínicos gerais. Genebra, OMS,2000.

RODRIGUES, J.C. (2009). A entrevista clínica no contexto do risco de suicídio. Dissertação de Mestrado do Departamento de Psicologia Clínica – UNB.
SANTOS, K. O. B., Araujo, T. M. & Oliveira, N. F. (2009). Estrutura fatorial e consistência interna do Self Reporting Questionnaire (srq-20) em população urbana. Cadernos de Saúde Pública. 25(1), 214-222.
SOUZA, E. (2015). Projeto transexualidade e saúde pública no Brasil: Entre a invisibildade e a demanda por políticas públicas para homens trans. Minas Gerais: NUH/DAA – UFMG.
WORLD HEALTH ORGANIZATION. Preventing suicide: a global imperative. Geneva: WHO, 2014.

Quer receber informações sobre a próxima turma?

Preencha os dados abaixo que avisaremos quando o curso estiver aberto.
Os campos com (*) são de preenchimento obrigatório.